O sandhikshan, também conhecido como shandi Puja, é considerado  o momento mais auspicioso do Durga Puja (Navaratri) que cai entre Mahashtami e Mahanavami, sendo marcado por um puja elaborado de 48 minutos. Ele marca a prevalência final do bem sobre o mal. Neste ano, o horário para nós será entre 06:58 e 07:46 (horário de Brasília), no dia 15 de outubro.

Este  é o período durante o qual Ma Durga, sob a forma de Chamunda, matou o asuras, Chanda e Munda. Por esta razão, é dito que após este tempo, a Devi está pronta para concessão de benefícios aos seus devotos.






Segundo a astrologia védica, ociclo lunar é dividido em três partes, o Tri-Devi são vistos de acordo com a fase da lua. De Shukla Pratipad para Sukla Dashami a Lua é governado por Durga. Dashami de Krisna Panchami é governado por Laksmi, e Panchami para Amavasya é governado por Kali.

Na determinação das Devis (deusa) de acordo com a Lua natal apenas duas formas da Deusa são utilizados (Durga e Kali). Laksmi é tomado como o planeta Vênus. A Lua pode ser tanto Kali ou Durga em um gráfico específico, dependendo de múltiplos fatores. Todos estes fatores devem ser tidos em conta com o bom entendimento dos fatores que influenciam a lua.

I. Prasna Marga

Prasna Marga diz que, se a Lua é "forte", ela é Durga e quando a Lua está “fraca”, é Bhadrakali. Se ela é” fraca” e tem  um sinal de Marte, a Lua é Chamunda com atributos escuros.

Mitologia:

Durga é uma forma benéfica da deusa com vários braços montada em um tigre. Ela sempre foi e é tudo o que é. Sua manifestação física tomou forma quando havia um demônio que era tão poderoso que todos os deuses não poderia derrotá-lo. Todos os deuses juntos colocaram Shakti para lutar contra este demônio, gerando a  manifestação de Durga. Shakti é um conceito que não pode ser traduzido em uma palavra. O Sânscrito é uma linguagem conceitual.  Shakti pode ser a contraparte feminina de um deus, por exemplo, a consorte /Shakti de Vishnu (deus do sustento) é Laksmi, a deusa da riqueza/prosperidade. O sustento existe através da abudância. Shakti significa também o poder, e riqueza é o poder de sustentação. Assim, a shakti de um deus é o seu poder que é representado por sua contraparte feminina.

Durga é resultado dos poderes de todos os deuses e deusas em uma única forma, chamado Jagadambe (Universo-jagad, mãe ambe = Mãe do Universo). Ela veio dos deuses ou eles que vieram dela? É um universo interdependente e Ela é a Mãe Universal.

Kali surgiu quando Durga ficou com raiva. Durga, seu rosto ficou preto, e as trevas condensadas no terceiro olho que saltou de Kali. Assim, Kali é uma forma feroz e irada de Durga. Bhadra significa auspiciosa, e Bhadrakali é uma forma auspiciosa de Kali.

Kali foi a batalha contra os demônios Chanda e Munda. Eles representam o estado de espírito do  descontentamento constante. Kali teve que se tornar feroz para matar esses demônios. Quando Ela mordeu a cabeça fora, Durga, disse que já  que ela tinha matado Chanda e Munda Ela, então, seria chamada de Chamunda. Então Chamunda é a forma cruel de Kali,  uma forma feroz a si mesma.

Para conhecer mais sobre Durga, Kali e Chamunda, consulte o Mahatmya Devi, que está disponível em numerosas traduções.

Chamunda
Bhadrakali



Significado de Navaratri
 
Como outros festivais na Índia, Navaratri tem um significado muito rico. De um modo, Navaratri simboliza o processo do aspirante espiritual. Durante essa jornada espiritual, o aspirante deve passar por três estágios personificados por Durga, Lakshmi e Saraswati. Depois ele ou ela entram no plano do infinito, onde a pessoa realiza o Ser. Navaratri, que literalmente significa “nove noites”, dedica três dias de adoração para o Divino nas formas de Durga, Lakshmi e Saraswati. O décimo dia, no entanto, é o mais importante, e é conhecido como o “Dia da Vitória”.

A razão por trás da adoração de Durga, Lakshmi e Saraswati está enraizada na filosofia em que o Absoluto - ausente de atributos, só pode ser conhecido através do mundo de atributos – a jornada do conhecido ao desconhecido. Assim, é dito que Shiva, que simboliza a consciência pura, só pode ser conhecido através de Shakti, que representa a Divina Energia. E é por isso que as pessoas adoram Shakti, que é Devi, em Suas várias manifestações.

As diferentes fases do processo espiritual são refletidos em seqüência durante as celebrações de Navaratri. Durante os três primeiros dias, Durga é adorada. Ela personifica o aspecto de Shakti que destrói as nossas tendências negativas. O processo de tentar controlar nossos sentidos é similar a guerra onde a mente resiste a todos as tentativas de controle sobre ela. Assim, nas estórias dos Puranas (escritura) simbolicamente descreve Devi na forma de Durga, guerreira que destrói os Asuras (demônios).
Todavia, conseguir alívio temporário das garras das vasanas não garante a Liberação permanente. As sementes das vasanas se manterão dormente internamente. Por isso, devemos banhá-las com qualidades positivas. O Bhagava Gita se refere a essas qualidades como daiva-sampat, que literalmente significa “Riqueza Divina”. Conseqüentemente a adoração a Lakshmi acontece nos três dias seguintes. Lakshmi não somente concede a riqueza e prosperidade mundana, Ela concede de acordo com a necessidade de Seus filhos.
Somente aquele possuído de daiva-sampat, estará apto a receber o conhecimento do Supremo. Assim, os três últimos dias são dedicados a Saraswati, a incorporação do Conhecimento. Ela é descrita usando sari puro-branco, que simboliza a iluminação da Verdade Suprema.

O décimo dia é Vijaya Dashami, ou festival da vitória, que simboliza o momento em que a Verdade nasce no interior. Com isso, a significância de cada estágio de adoração tem claras parábolas correspondentes aos diferentes estágios da Sadhana (práticas espirituais). Primeira: as tendências negativas precisam ser controladas; segundo: as qualidades necessitam ser assimiladas; terceira: depois de ganhar necessária pureza mental, conhecimento espiritual deve ser adquirido. Somente então, o sadhak (aspirante espiritual) irá atingir a iluminação espiritual.

fonte: www.ammabrasil.org




(Elsa Cross)

Saio de ti como tua sombra.
Dou voltas em torno de ti,
dançando em silêncio.
Te espreito
nas margens de tesus pensamentos,
te sigo em teus atos, invisível,
dou forma a teus desejos.

Sou a forma de todos os seus desejos.
Sou a água do rio transparente,
onde tu sonhas levado pela morte,
sou as pedras azuis no fundo
visitadas pelos raios do sol
- como peixes dourados embaixo das águas.
Sou a pedra sem tempo no jardim,
a pedra gris do muro
onde repetem pedras ao alto.
Pedra, pedra
serpente,
ruído de água que cai, peixe silencioso,
bruma coroando ao longe as montanhas.

Sou o sol em teus cabelos,
um pássaro em uma copa,
a água que bebes ao despertar.
Sou o néctar caindo em tua língua,
sou teu deleite, sou tua embriaguez.

Volto a ti quando me chamas, desapareço.
Em ti permaneço dissolta, consciência irreflexa, prazer vivo.
E de novo a expansão sem limites
desde ti, fora de ti me leva.
Transpasso as formas.
Livre estou no espaço, sem espaço.

Em espaço mesmo me convertes.
Vou até todos os pontos
cujos centros são um, cujo centro
eu mesma sou.
Marco os confins,
ponho regras ao jogo, me divirto,
me divido, me dissolvo.
Sou só emanação.
Sou vibração pura, som que se condensa e cria formas.
Sou a flecha do impulso, o movimento,
o sopro.
Sou a forma oval perfeita,
as substâncias que se nutrem mutuamente, o pequeno espiral,
a mais pequena partícula
ditando a leitura de sua própria forma,
escrevendo de imediato, por si mesma,
sob o auspício silencioso deste jogo.

E tu és todas as coisas
sem deixar o recinto ensimesmado,
secreto onde não nos separa todavia teu pensamento,
onde o impulso em si mesmo se cumpre,
é somente, antes do tempo, antes do som,
da palavra mesma com que agora
nos invocam, nos dizem, nos perguntam.



Followers

Nosso espaço


Ammachi Ma

Danças Circulares Sagradas
CURRENT MOON
Loading...