"Quando Shakti se move em nosso interior, é o Grande Feminino tentando chamar a nossa atenção.
Quando Shakti se move em nosso interior, toda a nossa vida pode mudar. Podem ocorrer grandes e drásticas mudanças que parecem vindas de lugar algum. Elas podem ser desconcertantes, enlouquecedoras, frustrantes e joviais, e podem alterar a no...ssa vida, mas sempre nos movem para a frente.
Quando Shakti se move em nosso interior, nós com freqüência precisamos mudar, saindo das nossas posições confortáveis (físicas, emocionais e mentais) ou sofrer algumas conseqüências até que uma lição importante seja aprendida.
Quando Shakti se move em nosso interior, a extensão da nossa ignorância a respeito das coisas espirituais torna-se profusamente clara.
O movimento da Shakti em nosso interior não pode ser interrompido, mas pode ser redirecionado. Nós podemos não ter escolha, a não ser atender a seu chamado, mas as escolhas entre os caminhos que emergem de nossas decisões permanecem.
O movimento da Shakti em nosso interior leva inevitavelmente ao Amor e ao Conhecimento, nesta vida ou numa vida subseqüente. O Grande Feminino é amar e dar por natureza. Portanto, nós precisamos admitir que ela está tentando nos dar alguma coisa nova que Ela pensa que nós precisamos.
Quando Shakti se move em nosso interior, o Grande Feminino nos abençoa de uma maneira significativa.
Quando Shakti se move em nosso interior, a Graça Divina está à mão."

(Thomas Ashley-Farrand)



WORKSHOP 

27 e 28 de novembro - Juiz de Fora-MG
11 e 12 de Dezembro - São Paulo-SP

“No plano físico a mulher se relaciona com seu entorno, no plano mental e emocional, com sua sociedade e no plano espiritual, sua alma se relaciona com a Natureza e a realidade.

Tendemos a buscar fora de nós aquilo que precisamos para viver, buscando companheiros(a), trabalho, comida, atividades que magicamente supram nossas necessidades, que curem nossas imperfeições que nos façam experimentar a sensação de plenitude que tanto desejamos.

Porem, não há nada externo que vá lhe deixar integralmente satisfeita, já que tudo que está fora de você não há como se perceber. Por isso, como diz um antigo ditado, a única coisa que podes contar é com “aquilo que podes salvar de um naufrágio: teu corpo, tua mente com suas emoções e teu espírito”.

O caminho da saúde é basicamente uma senda de conhecimento de si mesma, uma senda de descobrimento da suas reais personalidades, com o conhecimento de todas as diferentes consciências em uma consciência bem integrada e conectada através de suas raízes com a água da vida que brota do manancial da Mãe Natureza.”

Através deste workshop, abordaremos questões fundamentais para a reintegração da mulher com seu próprio Ser, através de práticas de curas ancestrais, aliadas aos benefícios milenares do Yoga. Todo o trabalho será voltado para o despertar do Feminino Sagrado, a energia primordial (Shakti), que muitas vezes, devido à uma rotina voltada apenas para o exterior, permanece adormecida em nós. Esta dormência é a causa principal de inúmeras doenças e desequilíbrios, além de um sentimento de vazio, que cada vez mais toma conta das mulheres. 
Aprenderemos à nos conectarmos com as forças da natureza e a perceber o quanto suas mudanças nos afetam. Desta forma, nos sintonizaremos com estas mudanças, ao invés de lutarmos contra elas, e veremos surgir em nossos ventres, em nossos corações e em nossas almas, o esplendor e a profunda devoção por nossa Deusa Interior.

·         A sabedoria do corpo feminino e sua ciclicidade. Conheça seu corpo e equilibre a mente e as emoções;

·         A cura feminina através do Ayurveda (ervas, banhos, óleos, alimentos etc);

·         Práticas de yoga e orientações ayurvédicas para TPM, Cólicas, desequilíbrios durante a menopausa, diminuição de libido etc.

·         Shakti  Yoga: Ásanas, Pranayamas, Mudras e Mantras para o despertar da Shakti (energia feminina);

·         Como ter uma gravidez, parto e pós-parto de forma harmoniosa e natural;

·         Técnicas básicas de pompoarismo;

·         Rejuvenescimento (Rasayanas);


·         Beleza e saúde com a automassagem;


·         A mulher, o sol e a lua, as estações do ano...sintonizando-se com a Mãe Natureza para a harmonia interior, através do Dinacharya, sua rotina diária;


Observação:
Não é preciso ter nenhuma formação em yoga ou ayurveda para participar deste workshop. Instruções de práticas e ensinamentos apenas para uso pessoal, não capacitando especialistas ou terapeutas nestas áreas.
.
DATAS/ HORÁRIOS/ LOCAIS:

27 e 28 de novembro (sábado e domingo), 9h às 17h

Local: SATTVA – Terapias Complementares
Rua Santo Antônio, 201 – Centro
Juiz de Fora - MG

Inscrições e informações:

Tel: (32) 3084-0776 / 8454-2337

11 e 12 de dezembro (sábado e domingo), 9h às 17h

Local: Casa Vida em Flor
Rua Rio do Peixe, 349
Vila Zelina (próximo à Vila Prudente)
São Paulo - SP

Inscrições e informações:

Tel: (11) 8518-5698 / 8228-0610


INVESTIMENTO:

Valor à vista: R$ 220,00 (duzentos e vinte reais)
ou em 2X de R$ 125,00 (cento e vinte e cinco reais)


OUTRAS INFORMAÇÕES:
E-mail: malika_yoga@hotmail.com
svashakti.blogspot.com
Kaulayoga.blogspot.com


Porquê a criatividade na autenticidade é a medicina que me alimenta e sustenta!


ENCONTRE A CIDA DE MAIS PERTO DE VOCÊ!

Círculo Sagrado de Visões Femininas age em diversos níveis, são eles:

 
Físico: " É comprovadamente cientifico que quando duas ou mais mulheres permanecem juntas em um mesmo espaço físico seus ciclos menstruais se auto-regulam. E, segundo as medicinas tradicionais, a mulher se oportuniza do processo de menstruação quando este ocorre nas fases MINGUANTE/NOVA, pois assim temos maior influência do SOL na TERRA e, desta forma, eliminamos mais e melhor. E, além disso, quando diversas mulheres estão juntas, o corpo aciona a produção de um hormônio chamado OCITOSINA, que causa sensação de felicidade e bem-estar. Menstruação regulada cura e nos ensina a viver ciclicamente, entendo que morrer é necessário, tanto quanto renascer e viver plenamente.

.::Emocional:: O CÍRCULO é um arquétipo igualitário, traz noção de pertencimento e de sacralidade à palavra, pois todas ao redor do centro estão à mesma distância, desta forma, não existe hierarquia. Cada palavra é ouvida. Cada batida de coração é sentida. Estar em Círculo CURA as feridas. Sana sem demora as mágoas e ressentimentos. Abre espaço no ventre e coração para a renovação e para realização plena.

 
.::Social::. Pretende gerar um grupo, ou Círculo de Mulheres que ocupe o vazio comunitário criado pelo capitalismo/pa iarcado. Fazendo circular e estimular o conhecimento e a partilha. Estimulando as mulheres a ocupar e a se manifestar em espaços públicos levando os pontos de vistas femininos.

.::Espiritual::. Em um local onde a mulher possa dar voz a sua essência, o espírito feminino se sente livre para se manifestar, proporcionando insigths, conexões com os arquétipos interiores e intuição mais apurada e visão de olhos de águia, além do alcance, dentro e fora da situação, mediando seus aspectos internos e a vivencia externa."
 
 
::JUIZ DE FORA/ MG - Júlia Marina (Ma’Lika)::
Local: Rua São Mateus, 890 - Juiz de Fora (Espaço Kaula Yoga)
Telefone: (32) 8454-2337
Contribuição: R$ 10,00
O que pedir para as mulheres levarem: Frutas, flores, músicas, danças, objetos para serem
consagrados...
Email: malika_yoga@hotmail.com

 



O sandhikshan, também conhecido como shandi Puja, é considerado  o momento mais auspicioso do Durga Puja (Navaratri) que cai entre Mahashtami e Mahanavami, sendo marcado por um puja elaborado de 48 minutos. Ele marca a prevalência final do bem sobre o mal. Neste ano, o horário para nós será entre 06:58 e 07:46 (horário de Brasília), no dia 15 de outubro.

Este  é o período durante o qual Ma Durga, sob a forma de Chamunda, matou o asuras, Chanda e Munda. Por esta razão, é dito que após este tempo, a Devi está pronta para concessão de benefícios aos seus devotos.






Segundo a astrologia védica, ociclo lunar é dividido em três partes, o Tri-Devi são vistos de acordo com a fase da lua. De Shukla Pratipad para Sukla Dashami a Lua é governado por Durga. Dashami de Krisna Panchami é governado por Laksmi, e Panchami para Amavasya é governado por Kali.

Na determinação das Devis (deusa) de acordo com a Lua natal apenas duas formas da Deusa são utilizados (Durga e Kali). Laksmi é tomado como o planeta Vênus. A Lua pode ser tanto Kali ou Durga em um gráfico específico, dependendo de múltiplos fatores. Todos estes fatores devem ser tidos em conta com o bom entendimento dos fatores que influenciam a lua.

I. Prasna Marga

Prasna Marga diz que, se a Lua é "forte", ela é Durga e quando a Lua está “fraca”, é Bhadrakali. Se ela é” fraca” e tem  um sinal de Marte, a Lua é Chamunda com atributos escuros.

Mitologia:

Durga é uma forma benéfica da deusa com vários braços montada em um tigre. Ela sempre foi e é tudo o que é. Sua manifestação física tomou forma quando havia um demônio que era tão poderoso que todos os deuses não poderia derrotá-lo. Todos os deuses juntos colocaram Shakti para lutar contra este demônio, gerando a  manifestação de Durga. Shakti é um conceito que não pode ser traduzido em uma palavra. O Sânscrito é uma linguagem conceitual.  Shakti pode ser a contraparte feminina de um deus, por exemplo, a consorte /Shakti de Vishnu (deus do sustento) é Laksmi, a deusa da riqueza/prosperidade. O sustento existe através da abudância. Shakti significa também o poder, e riqueza é o poder de sustentação. Assim, a shakti de um deus é o seu poder que é representado por sua contraparte feminina.

Durga é resultado dos poderes de todos os deuses e deusas em uma única forma, chamado Jagadambe (Universo-jagad, mãe ambe = Mãe do Universo). Ela veio dos deuses ou eles que vieram dela? É um universo interdependente e Ela é a Mãe Universal.

Kali surgiu quando Durga ficou com raiva. Durga, seu rosto ficou preto, e as trevas condensadas no terceiro olho que saltou de Kali. Assim, Kali é uma forma feroz e irada de Durga. Bhadra significa auspiciosa, e Bhadrakali é uma forma auspiciosa de Kali.

Kali foi a batalha contra os demônios Chanda e Munda. Eles representam o estado de espírito do  descontentamento constante. Kali teve que se tornar feroz para matar esses demônios. Quando Ela mordeu a cabeça fora, Durga, disse que já  que ela tinha matado Chanda e Munda Ela, então, seria chamada de Chamunda. Então Chamunda é a forma cruel de Kali,  uma forma feroz a si mesma.

Para conhecer mais sobre Durga, Kali e Chamunda, consulte o Mahatmya Devi, que está disponível em numerosas traduções.

Chamunda
Bhadrakali



Significado de Navaratri
 
Como outros festivais na Índia, Navaratri tem um significado muito rico. De um modo, Navaratri simboliza o processo do aspirante espiritual. Durante essa jornada espiritual, o aspirante deve passar por três estágios personificados por Durga, Lakshmi e Saraswati. Depois ele ou ela entram no plano do infinito, onde a pessoa realiza o Ser. Navaratri, que literalmente significa “nove noites”, dedica três dias de adoração para o Divino nas formas de Durga, Lakshmi e Saraswati. O décimo dia, no entanto, é o mais importante, e é conhecido como o “Dia da Vitória”.

A razão por trás da adoração de Durga, Lakshmi e Saraswati está enraizada na filosofia em que o Absoluto - ausente de atributos, só pode ser conhecido através do mundo de atributos – a jornada do conhecido ao desconhecido. Assim, é dito que Shiva, que simboliza a consciência pura, só pode ser conhecido através de Shakti, que representa a Divina Energia. E é por isso que as pessoas adoram Shakti, que é Devi, em Suas várias manifestações.

As diferentes fases do processo espiritual são refletidos em seqüência durante as celebrações de Navaratri. Durante os três primeiros dias, Durga é adorada. Ela personifica o aspecto de Shakti que destrói as nossas tendências negativas. O processo de tentar controlar nossos sentidos é similar a guerra onde a mente resiste a todos as tentativas de controle sobre ela. Assim, nas estórias dos Puranas (escritura) simbolicamente descreve Devi na forma de Durga, guerreira que destrói os Asuras (demônios).
Todavia, conseguir alívio temporário das garras das vasanas não garante a Liberação permanente. As sementes das vasanas se manterão dormente internamente. Por isso, devemos banhá-las com qualidades positivas. O Bhagava Gita se refere a essas qualidades como daiva-sampat, que literalmente significa “Riqueza Divina”. Conseqüentemente a adoração a Lakshmi acontece nos três dias seguintes. Lakshmi não somente concede a riqueza e prosperidade mundana, Ela concede de acordo com a necessidade de Seus filhos.
Somente aquele possuído de daiva-sampat, estará apto a receber o conhecimento do Supremo. Assim, os três últimos dias são dedicados a Saraswati, a incorporação do Conhecimento. Ela é descrita usando sari puro-branco, que simboliza a iluminação da Verdade Suprema.

O décimo dia é Vijaya Dashami, ou festival da vitória, que simboliza o momento em que a Verdade nasce no interior. Com isso, a significância de cada estágio de adoração tem claras parábolas correspondentes aos diferentes estágios da Sadhana (práticas espirituais). Primeira: as tendências negativas precisam ser controladas; segundo: as qualidades necessitam ser assimiladas; terceira: depois de ganhar necessária pureza mental, conhecimento espiritual deve ser adquirido. Somente então, o sadhak (aspirante espiritual) irá atingir a iluminação espiritual.

fonte: www.ammabrasil.org




(Elsa Cross)

Saio de ti como tua sombra.
Dou voltas em torno de ti,
dançando em silêncio.
Te espreito
nas margens de tesus pensamentos,
te sigo em teus atos, invisível,
dou forma a teus desejos.

Sou a forma de todos os seus desejos.
Sou a água do rio transparente,
onde tu sonhas levado pela morte,
sou as pedras azuis no fundo
visitadas pelos raios do sol
- como peixes dourados embaixo das águas.
Sou a pedra sem tempo no jardim,
a pedra gris do muro
onde repetem pedras ao alto.
Pedra, pedra
serpente,
ruído de água que cai, peixe silencioso,
bruma coroando ao longe as montanhas.

Sou o sol em teus cabelos,
um pássaro em uma copa,
a água que bebes ao despertar.
Sou o néctar caindo em tua língua,
sou teu deleite, sou tua embriaguez.

Volto a ti quando me chamas, desapareço.
Em ti permaneço dissolta, consciência irreflexa, prazer vivo.
E de novo a expansão sem limites
desde ti, fora de ti me leva.
Transpasso as formas.
Livre estou no espaço, sem espaço.

Em espaço mesmo me convertes.
Vou até todos os pontos
cujos centros são um, cujo centro
eu mesma sou.
Marco os confins,
ponho regras ao jogo, me divirto,
me divido, me dissolvo.
Sou só emanação.
Sou vibração pura, som que se condensa e cria formas.
Sou a flecha do impulso, o movimento,
o sopro.
Sou a forma oval perfeita,
as substâncias que se nutrem mutuamente, o pequeno espiral,
a mais pequena partícula
ditando a leitura de sua própria forma,
escrevendo de imediato, por si mesma,
sob o auspício silencioso deste jogo.

E tu és todas as coisas
sem deixar o recinto ensimesmado,
secreto onde não nos separa todavia teu pensamento,
onde o impulso em si mesmo se cumpre,
é somente, antes do tempo, antes do som,
da palavra mesma com que agora
nos invocam, nos dizem, nos perguntam.




 
Sendo a energia do Grande Feminino que existe dentro e fora de nosso corpo, Shakti é a força que aciona todas as coisas, desde as órbitas dos planetas até o radiante poder do Sol. Qualquer espécie de força, poder ou influência tem sua gênese na Shakti, e a Shakti é feminina por natureza. 
.
Com a prática de Yoga, temos a oportunidade de entramos em contato com esta nossa força interior e despertá-la, criando assim, condições para um crescimento espiritual efetivo, através de um trabalho que irá atingir os diversos níveis de manifestação que possuímos (material, mental, emocional e espiritual), objetivando a integração de nosso Ser.
.
Como mulheres vivendo em um mundo com características essencialmente lineares e racionais, nos desconectamos de nosso sentido de divindade, e perdemos o aspecto Sagrado de nossos corpos e sua relação intrínseca e inseparável das forças naturais que regem o universo. 
.
Com esta vivência de Shakti Yoga, aprenderemos a resgatar estes princípios, através de técnicas milenares que inclui a prática de determinados āsanas (posturas físicas), prāṇāyāmas (respirações), mudrās (gestos) e mantras (sons sagrados). Tais práticas poderão ser aplicadas regularmente em nosso cotidiano, como mais um caminho que nos auxiliará à despertamos em nós, algo que está latente, porém, talvez ainda adormecido: Svashakti, a nossa Deusa Interior.

Com Ma'Lika' (Juiz de Fora-MG)

Durante o Encontro da Primavera das Guardiãs do Círculo Sagrado de Visões Femininas


Primavera em Festa...
Grande Círculo das Guardiãs do movimento
“Círculo Sagrado de Visões Femininas” de cura e oração
...em prece e oração pela Matas e florestas que queimam
e que esperam florescer nesta primavera....

Um dia de partilha para cura e celebração da chegada da Primavera com oficinas, palestras, sarau e Cerimônia de Cura para as Florestas.
 
Programação:

::25 de SETEMBRO, Sexta::
Cerimônia fechada entre as guardiãs.

::26 de SETEMBRO, Sábado::
Primavera em Festa: Grande Círculo de cura e oração.
PÚBLICO: Evento para toda a família (mulheres e homens)

((Dançar o feminino na Primavera)) Nós, Mulheres, em plena conexão com o nosso Sagrado Feminino e os nossos sagrados ciclos da vida, celebramos e honramos com danças a nossa primavera e o nosso florescer para a vida!!!
Com Karenn Fujimatsu "Mirpa Nhusta Manta”

((Resgatando a herança matrilinear através da árvore das antepassadas)),
com Marcela Zaroni

((Shakti Yoga - Despertando a Energia Feminina)) Prática de yoga, onde através de determinados ásanas, pranayamas, mantras e mudras, temos a oportunidade de entrar em contato com nossa Divindade Interior, despertando a energia primordial , Shakti. Com Ma'Lika'

((A Dança do Ventre Sagrado)) Encontro vivencial para desenvolvimento do empoderamento e aceitação do próprio corpo. Intensificando o poder criativo do ventre através do movimento. Com Simone Alves

((Vasalisa, Deusinhas de Feltro)) "As bonecas são um dos tesouros simbólicos da natureza instintiva." Vamos confeccionar e personificar o símbolo de nossa sabedoria interior e de nossa própria intuição! Com Camila Ceroni, "Flora Zabella

((Eu Sou Um Círculo)) Nesta vivência nos transformaremos em uma mandala viva e colorida, cantando, dançando e fazendo arte. Com a cor de cada coração presente sentiremos o Círculo que somos e o campo medicinal que podemos Ser.
Material necessário: Folha ofício, lápis de cor, tinta guache e pincéis (estes últimos se possível). Com Ana Paula Andrade

((Cerimônia e oração de pedidos de cura para a Floresta)) Um espaço no tempo para que possamos, em pura sintonia, criar um espaço de cura para todas as matas e florestas que queimam. Ofertaremos a energia de regeneração feminina como ferramenta para a cura. Tragam sementes e fitas coloridas. com Sabrina Alves

((Encontro de Cunhãs, Sarau Feminino)) Canções canalizadas nos encontros de Lua nova, canções femininas e músicas de autoria própria. Com Karine Cunha

**Programação ainda em formação. Sujeita à alteração
Inscrição: R$ 50,00 por um dia inteiro.
(incluído todas as oficinas/vivencias, Sarau/oficina e cerimônia).
NÃO está incluso a alimentação nem translado.

::27 de SETEMBRO, Domingo::
Re-despertando o Ventre da Primavera: Tenda Sagrada
Aberto somente para integrantes dos círculos regulares do Clã dos Ciclos Sagrados: Guardiãs do CSVF , Círculo feminino“Mulher Mutante” e
freqüentadoras dos encontros da Lua Nova.

::Sobre o Movimento “Círculo Sagrado de Visões Femininas”::
Simultaneamente, mulheres de diversos estados brasileiros e outros países, reúne-se em círculos de iguais e ecumênicos, sempre ao PRIMEIRO dia de Lua Nova para celebrar, fortalecer, expressar plenamente suas formas, curar seus ciclos hormonais e regular sua menstruação/fertilidade pelo Círculo Sagrado de Visões Femininas. Este trabalho apesar de inicialmente ter sido ancorado pelo projeto CLA DOS CICLOS SAGRADOS, sob à coordenação de Sabrina Alves em São Paulo , expande suas teias em forma de gratidão e comunhão à Grande Mãe orientando outras mulheres de forma gratuita de outros estados do Brasil e países de lingua espanhola e portuguesa a canalizarem esta energia pelo poder da união e da sincronicidade.

Conecta outras mulheres para trazerem, em forma de ação, esta energia de UNIÃO entre nós e as forças universais de purificação expressas pela LUA NOVA. Uma experiência de resgate simbólico da energia ancestral coletiva feminina onde mulheres em meio a agitação das cidades, guiadas por suas próprias crenças, perpetuam sua linhagem feminina por meio da sacralidade de seus corpos.


:: Organização e realização:: Clã dos Ciclos Sagrados

http://www.cladosciclossagrados.com/
::ONDE:: Eco Pousada Filhos da Terra - Cotia/ São Paulo (30 min. de SP)
:: Apoio:: Filhos da Terra
 


 
Porque a criatividade na autenticidade é a medicina que me alimenta e sustenta!
No amor e em agradecimento a grande possibilidade de sacralizar minha essência.
 
Honra e respeito ao espírito individual que move vocês ao encontro do espírito do grupo....Eu Mulher, aqui e agora, inteira!

Clã dos Ciclos Sagrados
 
"Mulheres em círculo para honrar seus ciclos; avançando fronteiras e tecendo redes."

"Círculo Sagrado de Visões Femininas" age em diversos níveis, são eles:

Físico: " É comprovadamente cientifico que quando duas ou mais mulheres permanecem juntas em um mesmo espaço físico seus ciclos menstruais se auto-regulam. E, segundo as medicinas tradicionais, a mulher se oportuniza do processo de menstruação quando este ocorre nas fases MINGUANTE/NOVA, pois assim temos maior influência do SOL na TERRA e, desta forma, eliminamos mais e melhor. E, além disso, quando diversas mulheres estão juntas, o corpo aciona a produção de um hormônio chamado OCITOCINA, que causa sensação de felicidade e bem-estar. Menstruação regulada cura e nos ensina a viver ciclicamente, entendo que morrer é necessário, tanto quanto renascer e viver plenamente.

.::Emocional:: O CÍRCULO é um arquétipo igualitário, traz noção de pertencimento e de sacralidade à palavra, pois todas ao redor do centro estão à mesma distância, desta forma, não existe hierarquia. Cada palavra é ouvida. Cada batida de coração é sentida. Estar em Círculo CURA as feridas. Sana sem demora as mágoas e ressentimentos. Abre espaço no ventre e coração para a renovação e para realização plena.

.::Social::. Pretende gerar um grupo, ou Círculo de Mulheres que ocupe o vazio comunitário criado pelo capitalismo/pa iarcado. Fazendo circular e estimular o conhecimento e a partilha. Estimulando as mulheres a ocupar e a se manifestar em espaços públicos levando os pontos de vistas femininos.

.::Espiritual::. Em um local onde a mulher possa dar voz a sua essência, o espírito feminino se sente livre para se manifestar, proporcionando insigths, conexões com os arquétipos interiores e intuição mais apurada e visão de olhos de águia, além do alcance, dentro e fora da situação, mediando seus aspectos internos e a vivencia externa."

IMPORTANTE A PONTUALIDADE!!!
Encontre a cidade mais próxima de você!


::JUIZ DE FORA/ MG - Júlia Marina (Ma’Lika)::
Local: Rua São Mateus, 890 - Juiz de Fora (Espaço Kaula Yoga)
Telefone: (32)9112-3590
Contribuição: R$ 10,00
levarem: Frutas, flores, músicas, oráculos, danças...
Email: malika_yoga@hotmail.com


REPASSE ESSE CONVITE ÀS MULHERES DA SUA VIDA!

Importante: O círculo estará aberto para receber todas as mulheres, independentemente de sua orientação espiritual/religiosa.



Om namO bhagavathi prachanda swaroopiNyei namah |
jwAlAlankrta dhAriNI durgA hrInkAram vaktrtEjasE ||

Om hrIm hroom | bhavAni || brahmAnanda dhariNyei namah ||

Om hrIm hroom | bAlA || brahmAnda dhyAna nilayE ||
Om hrIm hroom | chAmundi|| chanchala bhAva vinAshinyei namah ||
Om hrIm hroom | mInAkshi|| mAyA mAnasa bhedini ||
Om hrIm hroom | pArvathi|| praNava shabdA swaroopAthmikE ||
Om hrIm hroom | chandikA|| shatchakra bandhAgni prakAshinyei namah ||
Om hrIm hroom | shAnthA || prakrthi tEjOtpalAtmikE ||
Om hrIm hroom | kAmAkshI|| kAmitha vara pradAyinI ||
Om hrIm hroom | kAlikE || bIjArdha mantra tEjAgni jwAlinyei namah ||
Om hrIm hroom | mAlini || manthrAgni suprakAshini ||

Om namO bhagavathI dEvI shankara prANa vallabhE |

nAnAshakthi swaroopinyei nAnA manthrAgni poorithE||
bIjashakthi bIjatatvE bIjamAlAlankrtha dhAriNI |
namastubhyam namastubhyam Adishakthi namOstutE ||


Om shAnthi | shAnthi | shAnthih ||



"Até mesmo um homem impulsivo
não deve se grosseiro com uma mulher, 
lembrando que dela dependem a alegria do amor
sensual, o prazer e a virtude.
Uma mulher é sempre um campo sagrado
no qual nasce o Ser. Nem os sábios têm o 
poder de procriar sem ela.

Mahabharata, I(74), 51-52


Porque a criatividade na autenticidade é a medicina que me alimenta e sustenta!
No amor e em agradecimento a grande possibilidade de sacralizar minha essência.
Honra e respeito ao espírito individual que move vocês ao encontro do espírito do grupo....Eu Mulher, aqui e agora, inteira!

Clã dos Ciclos Sagrados
"Mulheres em círculo para honrar seus ciclos; avançando fronteiras e tecendo redes."

ENCONTRE A CIDA DE MAIS PERTO DE VOCÊ!

Círculo Sagrado de Visões Femininas age em diversos níveis, são eles:

 
Físico: " É comprovadamente cientifico que quando duas ou mais mulheres permanecem juntas em um mesmo espaço físico seus ciclos menstruais se auto-regulam. E, segundo as medicinas tradicionais, a mulher se oportuniza do processo de menstruação quando este ocorre nas fases MINGUANTE/NOVA, pois assim temos maior influência do SOL na TERRA e, desta forma, eliminamos mais e melhor. E, além disso, quando diversas mulheres estão juntas, o corpo aciona a produção de um hormônio chamado OCITOSINA, que causa sensação de felicidade e bem-estar. Menstruação regulada cura e nos ensina a viver ciclicamente, entendo que morrer é necessário, tanto quanto renascer e viver plenamente.
 
.::Emocional:: O CÍRCULO é um arquétipo igualitário, traz noção de pertencimento e de sacralidade à palavra, pois todas ao redor do centro estão à mesma distância, desta forma, não existe hierarquia. Cada palavra é ouvida. Cada batida de coração é sentida. Estar em Círculo CURA as feridas. Sana sem demora as mágoas e ressentimentos. Abre espaço no ventre e coração para a renovação e para realização plena.

 
.::Social::. Pretende gerar um grupo, ou Círculo de Mulheres que ocupe o vazio comunitário criado pelo capitalismo/pa iarcado. Fazendo circular e estimular o conhecimento e a partilha. Estimulando as mulheres a ocupar e a se manifestar em espaços públicos levando os pontos de vistas femininos.
 
.::Espiritual::. Em um local onde a mulher possa dar voz a sua essência, o espírito feminino se sente livre para se manifestar, proporcionando insigths, conexões com os arquétipos interiores e intuição mais apurada e visão de olhos de águia, além do alcance, dentro e fora da situação, mediando seus aspectos internos e a vivencia externa."
 
:JUIZ DE FORA/ MG - Júlia Marina (Ma’Lika)::
Local: Rua São Mateus, 890 - Juiz de Fora (Espaço Kaula Yoga)
Telefone: (32) 8454-2337
Contribuição: R$ 10,00
O que pedir para as mulheres levarem: Frutas, flores, danças, músicas, poesias....
Email: malika_yoga@hotmail.com
 


III Oficina de Meditação
                                      "Técnicas Tântricas"

     Sábado, 26 de Junho, 14 às 18h
                                                                                                Kaula Yoga

Investimento: R$ 30,00 (inclui apostila)

Inscrições e informações: (32) 8454-2337 / 9112-3590 - kaulayoga@hotmail.com

Apenas 10 vagas.


O Tantra é uma ciência arcaica que comporta muitos sistemas diferentes para acelerar o processo de crescimento da civilização humana. É uma tradição anterior a todas as religiões existentes e provê o alicerce esotérico do qual muitas delas se basearam. O Tantra fornece técnicas práticas aplicáveis a homens e mulheres de qualquer temperamento e nível espiritual, transformando cada atividade da vida diária em uma prática espiritual (sādhanā). Após a sua sistematização, o Tantra foi unido à filosofia do Vedānta para formar o sistema de Yoga que conhecemos hoje em dia. O objetivo desta nossa oficina de meditação é proporcionar um vislumbre prático em técnicas importantes de meditação cujas raízes se encontram na tradição tântrica. Desta maneira acreditamos que elas poderão ser praticadas em sua forma original e correta.

Ao selecionarmos as técnicas a serem ministradas nesta oficina, nos preocupamos em arranjá-las de maneira didática com a finalidade de serem mais facilmente aplicadas por cada participante.

As práticas de meditação e concentração introduzidas nesta oficina foram desenvolvidas a partir de escrituras antigas. A prática de pratyāhāra (retração dos sentidos para silenciar a mente), dhāraṇā (concentração), dhyāna (meditação) e laya (dissolução, absorção da mente) são técnicas derivadas das Upaniṣads e dos Tantras. Estas técnicas possuem diferentes níveis e estágios de prática que levam o praticante gradualmente a profundos estados de consciência. Nós estudaremos: Antar Mouna uma técnica que trata das atividades da mente consciente. Na prática de antar mouna existe a consciência dos pensamentos e da atividade mental. A técnica envolve a criação, transformação e finalmente o controle da atividade mental. Traz a tona as propensões mentais mais profundas para serem trabalhadas e curadas. Ajapajapa, uma repetição mantrica com a consciência respiratória nas passagens psíquicas. O mantra pode ser pessoal, dado por um guru ou um mantra universal como o so’ham, cuja repetição é o coração da prática de ajapajapa. Trāṭaka, que envolve a fixação do olhar em um só ponto, geralmente, a flama de uma vela. Sua prática induz ao relaxamento e a concentração mental. Cidākāṣa Dhāraṇā, um tipo especial de meditação onde ocorre a observação da tela projetada pelo ājñācakra, a sala negra onde os fenômenos psíquicos são processados, energizando a substância mental superior... e muito mais.


Digite aqui o resumo do post Digite aqui o resto do post


Se as coisas fossem mães

Sylvia Orthof


Se a lua fosse mãe, seria mãe das estrelas,
o céu seria sua casa, casa das estrelas belas.


Se sereia fosse mãe, seria mãe dos peixinhos,
o mar seria um jardim e os barcos seus caminhos.


Se a casa fosse mãe, seria mãe das janelas,
conversaria com a lua sobre as crianças estrelas,
falaria de receitas, pastéis de vento, quindins,
emprestaria a cozinha pra lua fazer pudins.


Se a terra fosse mãe, seria mãe das sementes,
pois mãe é tudo que abraça, acha graça e ama a gente.


Se uma fada fosse mãe, seria mãe da alegria,
toda mãe é um pouco fada...nossa mãe fada seria.


Se uma bruxa fosse mãe,
seria uma mãe engraçada:
seria mãe das vassouras, da família vassourada!


Se a chaleira fosse mãe, seria mãe da água fervida,
faria chá e remédio para as doenças da vida.


Se a mesa fosse mãe, as filhas sendo cadeiras,
sentariam comportadas, teriam "boas maneiras".


Cada mãe é diferente: mãe verdadeira ou postiça,
mãe vovó e mãe titia, Maria, Filó e Francisca.
Toda mãe é como eu disse.
Dona Mamãe ralha e beija,
Erra, acerta, arruma a mesa,
Cozinha, escreve, trabalha fora,
Ri, esquece, lembra e chora,
Traz remédio e sobremesa...


Tem até pai que é tipo mãe... esse então é uma beleza"


Followers

Sobre Malika...

Sobre Malika...
Mulher, mãe, esposa, filha...Professora de Yoga, Meditação, Terapeuta Ayurveda, Educadora Perinatal, Eco-feminista e focalizadora de Círculos de Mulheres que cultuam e reverenciam o Sagrado Feminino. Professora de Sociologia e Filosofia, formada pela UFJF, com especialização em Ciências Humanas.

Nosso espaço


Ammachi Ma

Danças Circulares Sagradas
CURRENT MOON
Loading...